Novidades

Razão, Vontade e Sentimentos

            amorA Razão define a personalidade humana enquanto ser pensante.

            Durante séculos foi matizada como algo tipicamente masculino, próprio do mundo masculino. No ocidente definiu as relações, as relações de poder. O ser ontologicamente sempre foi definido pela Razão.

            A Razão dá o equilíbrio ao Ser, define seus contornos, direciona, pesa e reinventa as consequências da plausibilidade e do incerto. Ela recria novas possibilidades. Pensa o Ser constantemente e permanentemente.

            A Razão por sí é fria, seca, previsível, viril, metódica. Ela é um agente poderoso e fator de equilíbrio como já dissemos, tanto pode gerar a vida quanto a morte; tanto pode criar e gerar ilusão quanto a verdade e a mentira; quanto o vazio e a concretude.

            A Razão é indispensável à vida. É equilíbrio. Porém por si só é estéril.

            A Vontade é uma agente poderosa, desestabilizadora. Ela é dona de si e quase irresistível. Às vezes ou quase sempre é preciso exercer o controle sobre ela; e a Razão se apresenta nessa hora.

            A Vontade quase sempre está ligada a fatores e objetos cujos sentimentos e pregões da razão, subjazem escondido.

            A Vontade sempre traz consigo elementos catalizadores cujo ego e a libido enquanto prazer, submente quase que violentamente a razão com contra-argumentos.

            A Vontade é cega e caprichosa, precisa de seu vizinho, os sentimentos. Quase nunca age sozinha. Ela gostifica a vida, atesta-lhe sentido, dá e faz sentir o sabor que a vida com sua dinâmica oferece. A vontade faz querer; o querer produz ação e reação. Por isso, também a Vontade precisa de vigilância, precisa de freios e constitui-se também fator de equilíbrio.

            Os Sentimentos são agentes que nos atesta estarmos vivos. Nos dá a impressão de existir. Sua impessoalidade possibilita a graça e a leveza, o sonho e a concretização do mesmo.

            Nos Sentimentos estão conjugados anjos e demônios. O prazer deriva-se como consequência plausível e redesenha as configurações do próprio Sentimento que numa hora é salutar, noutra o vilão.

            Também os Sentimentos por si só é causador de desequilíbrio e morte. Seu equilíbrio depende da Vontade e da Razão.

            Nenhum dos três agem ou deve agir só, pois são agentes poderosos cuja ação e efeitos são danosos; mas conjugados, em equilíbrio possibilitam causas-ações-reações cuja consequência fomenta tamanha felicidade, rumo e acertos causadores de bem-estar e vida.

            O que acontece quando cada um é individualizado? O que acontece quando cada um complementa o outro e vice versa? Essa é uma questão aberta cuja experiência é susceptível de aprendizado.

Deixe uma resposta