Novidades

O Império Romano: contexto para a leitura de Marcos

Por: Rivânia Ferreira de Morais

Imperio-RomanoA mensagem de Jesus se dá dentro do contexto de exploração do Império Romano. Como funcionava o império? Eis alguns retalhos do contexto, de como funciona a máquina de dominação romana:

Roma domina vários países através de seu exército fortemente armado, transforma reis em prisioneiros de guerra, e através de sua política dominadora vai construindo um grande Império. Em 63 (a. C.) domina toda a Palestina à custa de violência, terror, e impõe a todo este povo um sistema de exploração, de escravidão. Também introduz sua herança cultural de modo que o povo reage a seu modo, inclusive e até de forma violenta. Muitos são os grupos que encabeçaram essa revolta.

Entretanto não só a sua cultura, mas também a cultura grega que estava nas veias do Império. Da cultura greco-romana temos influencias até os dias de hoje. Ela foi difundida desde o Mar Mediterrâneo Oriental até a Ásia Central, concretizando assim o sonho de Alexandre, O Grande, que levou a cultura grega aos territórios que conquistava.

Politicamente, Roma estava assim dividida: Imperador, Senado, Legado da Síria, Procuradores. Sua organização de certa forma assemelhava-se e estava sobre influência da cultura grega, que era politeísta. A religião grega era formada por um panteão de deuses mitológicos em que a concepção da vida, da sociedade e do destino humano estava disseminada pela filosofia e o poderio romano.

Dessa forma e nesse contexto, o imperador romano era o chefe supremo, recebia vários títulos como: César ( Augusto, Divino), Kyrios ( Senhor) e Sóter ( Salvador), ele era dignificado e divinizado sendo porta voz dos deuses. Todos tinham que queimar incenso uma vez por ano ao imperador.

  • O Senado (poder legislativo) delegava o poder militar a comandantes para fiscalizar, administrar e manter a ordem nas províncias.
  • Dois cônsules formava o poder executivo, eram eleitos para um mandato de dois anos.
  • Os procônsules ou legados eram nomeados pelo imperador. Governavam as províncias e tinham controle do exército.
  • Os procuradores ou prefeitos eram subgovernadores, encarregavam-se dos impostos, dos pedágios e taxas sobre pessoas e bens.
  • Os pontífices (porta voz entre deuses e humanos) eram o poder religioso.
  • Os pretores tinham em suas mãos as forças policiais, e era o poder judiciário.
  • O tribuno da plebe era o representante do povo no poder.

Antes o sistema era republicano, onde o Senado tinha mais poderes. Com Augusto o poder está concentrado em suas mãos, ele exercia todas as funções de todos os poderes: cônsul, príncipe, imperador, pontífice, tribuno e pretor. Assegurava a chamada Pax Romana (paz para Roma e opressão para os povos), impunha à todos ordem, eliminando todos os que se rebelassem contra o poder imperial.

O imperador romano Augusto César enquanto globalizava a fome, a escravidão, a exclusão, o ódio e a violência concentrava para si mais riqueza.

Economicamente – Roma sugava do povo tudo, pois através de impostos, cobrava tributos sobre a renda de cada pessoa, e sobre a produção da terra, que era de 20% e 25%.Também sobre a compra e venda de todos os produtos, tudo isto para sustentar seus exércitos e luxos.

Religiosamente – Roma tem uma religião politeísta, onde faz referência a Júpiter o deus supremo que corresponde a Zeus dos gregos. Cada povo conquistado pode cultuar seu deus, mas também o Império exige culto ao imperador que é divinizado e considerado o deus supremo.

Jesus viveu no meio de todo este contexto de exploração e dominação romana. Em sua pratica encontra doentes, marginalizados, pessoas sem esperança, excluídos da sociedade. Diante de tudo isso ele não se cala, mostrando o projeto do Pai que é de igualdade e vida para todos. Ele se impõe ao sistema, e é perseguido até a morte.

Na história da cultura grego-romana e sua relação com o povo bíblico encontramos nomes dos imperadores dos quais são ou estão ligados à história das comunidades cristãs primitivas. Vejamos os nomes de alguns.

Lista dos imperadores romanos:

  • Augusto ( 29 a.c.- 14d.c.) Lc 2,1
  • Tibério ( 14-37) Mc 12,14
  • Calígula ( 37-41)
  • Claúdio ( 41-54)
  • Nero ( 54-68)
  • Galba ( 68-69)
  • Vespasiano ( 69-79)
  • Tito ( 79-81)
  • Domiciano ( 81-96)
  • Nerva ( 96-98)
  • Trajano ( 98-117)
  • Adriano( 117-138)

Ao apresentar em poucas linhas o contexto do império temos em mente uma chave de leitura para contextualizar a leitura do evangelho de Marcos, suscitar em nossos leitores o gosto pela leitura orante, escutando o texto com um olhar no ontem em vista do olhar de hoje.

Ao citar a lista dos imperadores provoco você leitor para ver aquela lista e resumo que se encontra no final da Bíblia (Bíblia de Jerusalém; Bíblia Vozes; CNBB, etc) nos dando uma visão geral da história mesclada com a história bíblica e das nossas primeiras comunidades cristãs. Aí somos provados a um aprofundamento da leitura bíblica.

Interessante notar o quanto é importante contextualizar o texto bíblico, pois uma vez colocado o texto no seu contexto, poderemos alcançar a mensagem e melhor escutar a voz da Palavra em nosso contexto hoje, em nossa realidade, na realidade das comunidades.

Bibliografia Pesquisada:

Bonh, Ildo Gass. Curso de Bíblia por correspondência: Vida e pregação de Jesus, módulo 9 (pág.16-21). Cebi. 2003.

Schiavo, Silva. Luís  e Valmor da : Jesus milagreiro e exorcista (pág. 23-29). Paulinas. 2011.

1 Comment on O Império Romano: contexto para a leitura de Marcos

  1. muito bom.

Deixe uma resposta