Novidades

Espiritualidade Cristã

            CristoQuando se fala de espiritualidade cristã, deve-se levar em conta que, a simples menção “cristã” abre um leque muito grande, pois, nesse termo está contido não um caminho ou uma tradição única, mas vários caminhos e tradições com identidade própria, precisa e peculiar. O cristianismo é plural e multifacetário: romano, ortodoxo, evangélico, crente, seitas, etc. Cada tradição e caminho tem sua riqueza singular e muito diversificada.

            Falar, pois, de espiritualidade cristã temos que ter diante dos olhos esse leque de riquezas e contemplar nela aquilo que é comum e ao alcance de todos. A espiritualidade cristã é um galho cujo fruto, flores, folhas, caule e raízes está fincada numa terra fértil, um solo bom que nutre e cuida: Jesus de Nazaré. Jesus é a personagem de grande e profunda riqueza que as alimenta e faz surgir novos paradigmas. Ele é a fonte inesgotável que está na origem de muitas e diferentes espiritualidades e carismas no ocidente.  

Por ai já deu para entender o cerne, a fonte, o essencial, o elemento primordial da espiritualidade cristã. Vivê-la implica conhecer, amar e seguir o Mestre de Nazaré. Desse seguimento, dessa prática surge a práxis enquanto elemento e atitude decorrente dessa adesão e opção de vida. Daí todo resto é consequência. E isso, na prática cotidiana conforme cada tradição se nos apresenta sob variados elementos e aspectos singular próprios.

Assim, por exemplo, na tradição de matriz católica existe uma quantidade bastante considerável, algumas até fundadora de cultura, como é o caso da espiritualidade beneditina, franciscana, jesuíta, etc. De outro modo também, encontramos uma espiritualidade menos clerical e mais leiga, do povo, como é o caso, por exemplo, da que se expressa na religiosidade popular,  nas romarias, confrarias e pentecostal.

Que elementos básicos está na espiritualidade de maneira tal, que a expressa sob roupagem e linguagem religiosa ou numa linguagem mais laicista, por exemplo?

            No geral, a Bíblia enquanto Palavra de Deus revelada, a Oração com os variados métodos e costumes, atitudes contemplativas e de compaixão é o que caracteriza a espiritualidade cristã. A esses elementos, pelo menos na tradição de matriz católica romana, se acrescenta o sacramento da Eucaristia, a Léctio divina, e a liturgia de modo geral, como elementos essenciais e expressivos.

            A espiritualidade cristã é assim: nasce, se fundamenta e se enraíza na pessoa, pratica e mensagem de Jesus, nele encontra sentido, significado, identidade e força de coesão de modo que gera comunhão, irmandade, solidariedade com as pessoas, com a natureza, e com Deus. É um exercício (ascese) a ser vivido e praticado assiduamente e constantemente, porém, contudo, nem todos os seguidores de Jesus se dá conta ou vive desse modo, como já assinalei em artigos anteriores.

            Na espiritualidade cristã não existe separação entre o que é divino, religioso, fé do que é profano, não-sagrado. Mas, a trajetória do cristianismo ocidental e elementos estranhos à espiritualidade cristã forjou uma pratica, um olhar, uma cultura e uma separação tal e com grandes proporções que é impossível reverte o quadro, quando não muito, reaprender e exercitá-la de maneira nova e genuína como é. Aliás, muitas vozes, e não são poucas, proclamam e gritam essa novo jeito de conceber e viver a espiritualidade, dentro do cristianismo, principalmente, de cunho latino americano.

            Pois, bem, falar de espiritualidade cristã é falar desse caminho e sua contribuição para as comunidades eclesiais que estão no mundo, e para o mundo, a sociedade num todo.

            A grosso modo, diria que, a espiritualidade cristã é um modo de ser, de sentir, de viver, de compreender a vida, e por ela nos conectar a Deus tendo como referencial a pessoa de Jesus de Nazaré. A partir dele (Jesus) forjamos novas percepções e novas práticas e leituras da vida e de Deus. Exercemos a mística e nos religamos ao Abba, pai.

            Eis, a mínima que podemos dizer. Eis a espiritualidade cristã.

Deixe uma resposta