Novidades

Como faço para entender a Bíblia?

4bibliaNos encontros bíblicos que acontecem por ai, volta e meia, sempre nos deparamos com alguém perguntando: como faço para entender a bíblia?  Aparentemente não é uma pergunta fácil de responder. É preciso um conjunto de informações, de conhecimentos de diversas áreas (cultural, histórico, linguístico, filosófico, teológico, hermenêutico, geográfico, antropológico, religioso...) da ciência, de métodos e passos a ser seguidos. Mas, tudo isso, a partir de um ponto de vista refinado, com outros objetivos próprios. Porém, todavia, entretanto, no contexto da vida cotidiana, de modo simples e para efeito de vivencia pratica, existem alguns ingredientes para ajudar na compreensão do texto sagrado. Porém antes, é necessária alguma noção e um conhecimento inicial que ajude na capacidade de ler, discernir, e procurar meios que facilite a compreensão. De posse desses meios, temos, pois de cultivar atitudes simples mais de efeito poderoso para compreender e interpretar a palavra na vida e que é acessível a todos.

O primeiro ingrediente é ler o texto e criar ritmo de leitura, se familiarizar com eles. Uma familiaridade ajuda assimilar os conteúdos dele, proporcionando um novo exercício, a ruminação. Ela, a ruminação, é o segundo exercício/ingrediente. Na medida em que nos acostumamos com o texto mais assimilamos os seus conteúdos, mais reflexão e comparação fazemos com a vida cotidiano, mais vamos apreendendo, guardando em nossa memória. E aí o entendimento vai surgindo, vai ficando fácil sua compreensão e aplicação na vida. O terceiro ingrediente é comparar e submeter a nossa compreensão do texto à experiência eclesial, à tradição bíblica da igreja. Pois desse modo temos a garantia do entendimento certo e seguro, sem falso individualismo, sem o pessoalíssimo que incorre no perigo de criar opinião própria e achar que está certo quando está errado. Até porque, a leitura pessoal supõe-se de uma leitura eclesial e uma leitura eclesial se supõe uma leitura pessoal e comunitária.

Em resumo, é isso ai, leitura assídua, ruminação, buscar ajuda/escutar/conhecer a tradição da igreja sobre a leitura bíblica. Com o tempo, vamos adquirindo experiência, a compreensão/entendimento vai aflorando, os textos vão se tornando e nos tornando mais exigentes e mais estudiosos e, aí dizemos como o salmista: “Tua palavra é luz no meu caminho!”

Deixe uma resposta