Novidades

Catequistas Servidores

grupo4Introdução

            Se a catequese enquanto ação pastoral é uma dimensão da igreja, cabe perguntar quem a exerce e como a exerce, de modo que a caracterize como pastoral no seio da comunidade cristã.

            À esse pergunta segue-se a resposta obvia, o catequista. Ele é quem exerce com sua participação e engajamento na comunidade a catequese, como ação pastoral. No entanto como a exerce depende muito da realidade em que está inserido, porém, a igreja em seu magistério oferece orientações seguras que possibilita o exercício de sua prática pastoral.

            Sendo, pois, catequista da igreja, ele é chamado e enviado pela igreja para junto dos irmãos e irmãs a ele confiado, para vivenciar o processo de catequese de modo a atingir a maturidade dos objetivos por ela traçados.

            Então, quais os requisitos para ser catequista e como a igreja o define em sua ação pastoral?

            Segundo o DNC (Diretório Nacional de Catequese) o catequista é um servidor da comunidade de fé. Seu trabalho gratuito é um ministério (serviço) exercido em nome da comunidade, a Igreja. Para este ministério, ele é chamado, preparado e enviado – ou como se dizia no século passado, é uma vocação. Vocação que nasce de seu engajamento na comunidade e de sua convicção em servir de modo mais concreto ao Senhor e sua Igreja.

Qualidades do catequista servidor

            A partir do DNC (261-268) e da realidade de nossa igreja local, entendemos que para uma pessoa ser catequista é preciso cultivar algumas qualidade, tais como:

  • Amar a vida e se sentir uma pessoa amada e realizada;
  • Possuir equilíbrio psicológico e maturidade humana;
  • Ser pessoa de profunda espiritualidade;
  • Ser pessoa que sabe ler a presença de Deus na vida;
  • Ser pessoa ligada ao seu tempo, atualizada da realidade moderna;
  • Ser pessoa que busca sua formação pessoal e cultiva a leitura;
  • Ser pessoa de comunicação, que sabe se comunicar e comunicar a mensagem.

Além dessas qualidades a serem perseguidas pelo catequista em busca da vivência de sua vocação própria, se faz necessário enfatizar que o catequista é:

  • A pessoa de referência da catequese na comunidade;
  • É o educador na fé da comunidade;
  • É de modo concreto perceptível a dimensão catequética no agir pastoral concreto. Ou seja, é a encarnação da dimensão, agindo concretamente na vida das pessoas.

O que o catequista precisa cultivar e o que precisa evitar

Assim, o catequista tem para si, a responsabilidade de bem se preparar, estudando, lendo, aprimorando, atualizando seus conhecimentos e técnicas em vista de sua ação pastoral junto aos catequizandos. Isto de modo concreto significa dizer: ler a bíblia de modo certo e equilibrado, ler jornais, revistas, principalmente ligados a comunidade de fé e a catequese. De outra forma também precisa interagir com seus colegas catequistas, participando das reuniões, celebrações, retiros, estudos, passeios e atividades próprias da catequese, cultivando um bom relacionamento e uma espiritualidade orante e concreta.

            Por isso, não cabe tanto na ação do catequista, como a sua própria pessoa, atitudes como: dizer que é catequista, mas não participa das reuniões da catequese; não assume suas responsabilidades delegando outros para cumpri-las em detrimento de sua falta de responsabilidade; dizer que é catequista, mas não assume uma tarefa catequética junto aos colegas, aparecendo só nos momentos fortes ou de vez enquando; dizer que é catequista mas não prepara seus encontros e nem toma zelo pelos bens da catequese a saber: material didático, imóvel, livros, cartazes, etc; ser catequista mas não participa das celebrações comunitárias e quando vai, sua presença é mais de “assistir” do que de “participação”; dizer quer é catequista, mas está envolvido com muitos outros movimentos de forma que a catequese não é prioridade ou está no terceiro ou quarto plano, prejudicando o trabalho dos catequistas, por exemplo, quando da ausência numa reunião importante, e o colega não foi porque estava numa outra reunião de grupo que mesmo sendo importante era irrelevante, naquele momento, para a vida comunitária.

Conclusão

Na sua atuação de catequistas servidores, os mesmos precisam conhecer a catequese. Precisam discernir, ponderar, pensar e cultivar as coisas boas e evitar aquelas que prejudicam o desempenho de sua tarefa catequética.

E mais, é importante ao catequista saber que sua presença na catequese é uma alegria, e que estando na catequese, na dimensão bíblico-catequética, ele está num grande e organizado movimento-pastoral que tem por finalidade, zelar pela qualidade de vida e pela qualidade de fé dos membros da igreja, e que sua colaboração faz da igreja ser o que é: uma, santa, católica e apostólica.

Para conversar:

1- A seu ver, o que é “ser catequista” e qual o “seu lugar” na igreja?

2- De que a catequese precisa, para ter o “catequista ideal”?

3- Quais as “qualidades do Catequista” que é mais forte e presente no seu grupo de catequistas?

4 – Como você encara a sua vocação de catequista servidor?

Deixe uma resposta