Novidades

Bíblia

Apocalipse – II: Conteúdo do livro.

  Após nossa introdução ao livro do Apocalipse (Apocalipse -I), apresentamos agora, de modo geral, o conteúdo do livro. Nesse artigo, nos valemos da obra do autor renomado Werner Kümmel.             “Depois da introdução no cap. 1, o Apocalipse é dividido em duas partes principais formalmente distintas: os cap. 2 e 3 são palavras de exortação dirigidas à igreja na época do escritor (as chamadas sete cartas); os cap. 4 a 22 revelam o futuro. É esta a segunda parte principal que abrange quase três quartos do livro inteiro e que possui um sentido estritamente [ Continue lendo]

Apocalipse – I: Início de conversa.

Caro leitor, com esse artigo iniciaremos uma série de reflexão e explicação do livro do Apocalipse, atendendo assim, as muitas solicitações de nossos leitores e internautas.                 Para muitos de nós, o livro do Apocalipse, é cheio de surpresas. Nele está contido o fim do mundo; ele descreve um futuro sombrio, de medo, de tragédia, de dor, de sofrimento, de destruição e morte. É o que muitos afirmam após uma leitura superficial ao pé da letra. É um livro terrível que se impõe com autoridade (não mudará uma virgula do que está escrito…e ai de [ Continue lendo]

Evangelho de São Mateus

Por: Narciso Neves de Farias, teólogo e biblista* Autor, Obra, data, Comunidades O texto foi escrito entre os anos 70-90. Segundo R. A. Monasterio, os evangelhos  são escritos anônimos que foram reunidos no início do II século. O título (kata) segundo  o evangelista Mateus vem da época em que os escritos foram reunidos, pois, inicialmente, os autores não deram nenhum título (p. 17, 2006).  O trabalho de transcrição e tradução do texto teve continuidade pelos séculos, dentro de um processo complexo de transmissão da tradição, chegando-se no século XVI a se deparar com [ Continue lendo]

Milagre

            Milagre é algo que supõe fé. Porém, falando de um ponto de vista das leis da física, milagre é reverter uma situação cujas leis universal seria impossível e verossímil. Entretanto é algo intrigante, constatado pela ciência moderna, porém, sem nenhuma explicação.             No caso da fé, do campo do sagrado, o milagre é possível e tem sua origem na Origem das origens: Deus. Deus mesmo é que de algum modo interfere nas leis universal e reverte uma situação de morte para uma situação de vida. Nada se sabe do porque e como isso acontece, [ Continue lendo]

Parábolas

             Parábolas são histórias, comparações. É um gênero, uma forma de contar algo, passar uma mensagem de modo simples e profundo para além da aparência do que está sendo contado, dito.             Jesus contou parábolas. Ele é por excelência o mestre das parábolas e suas parábolas falam da vida, do reino, do amor, do julgamento, da misericórdia, de Deus, da palavra, dos que rejeitam ou aceitam essa palavra. Elas são práticas, fáceis e de um significado profundo.             Para nossos internautas, crismandos e ouvintes dos cursos [ Continue lendo]

O movimento Gnóstico

            O cristianismo nascente enfrentou muitas adversidades em seu caminho. Muitos foram os desafios políticos, sociais, culturais, filosóficos e religiosos. O gnosticismo também foi um desses desafios.             Segundo alguns estudiosos, o gnosticismo era uma tendência cujas bases tinham elementos das religiões orientais e da mística helênica. O movimento gnóstico era uma reação quase que cultural contra os fundamentos das tradições religiosas pagãs do império, bem como também das tradições religiosas judaicas e cristãs. O chão dessa tendência [ Continue lendo]

Salmos

O livro dos Salmos é uma coletânea de 150 salmos organizados em cinco partes de modo a imitar o Pentateuco. Se no Pentateuco, está a Lei em sua história e sentenças, nos Salmos ela se apresenta-nos em forma de oração de louvores, adoração, súplica, ação de graças, memória da história, liturgia e meditação.             Mas, o que significa a palavra salmos? Quem são seus autores? E porque de duas numerações em seus capítulos? E como fazer uso pessoal e comunitário dos mesmos? Vamos por parte.             A Igreja utiliza os Salmos desde as suas [ Continue lendo]

Pentecostes: nascimento “oficial” da Igreja

A cada ano na liturgia de rito romano celebramos após cinquenta dias da páscoa a festa de pentecostes. Sua origem remonta às páginas do Primeiro Testamento, tem sua releitura no Segundo Testamento e nos recorda ainda agora nosso compromisso batismal e crismal com o Senhor, o crucificado vivente. Pentecostes no Primeiro Testamento: Pentecostes é uma palavra de origem grega cuja tradução é ‘cinquenta dias’. Pentecostes é no Primeiro Testamento a festa da Colheita (Ex, 23, 14s), também conhecida como festa das Semanas (Ex 34,22; Dt 16, 9-10). As comunidades judaicas celebravam a [ Continue lendo]

Noé

Os textos de Gênesis 6-9 nos relata a saga de Noé. O enredo é conhecido, por isso não há necessidade de sua narração. O que queremos é tecer algumas linhas de reflexão para proveito espiritual.            Primeiramente, situemos o texto no seu contexto. O texto é provavelmente do século V, a.C, escrito no período exílico ou após ele pelas comunidades exiladas; no texto, há duas tradições javista e sacerdotal, além da mão do redator final; nele está contido elementos e informações muito frágeis cujos elementos possivelmente é de releitura de tradições bem [ Continue lendo]

Nova Bíblia Pastoral

            Este ano foi publicada a mais nova Bíblia católica com rosto latino-americano bem brasileiro se assim se pode falar. Estou falando da Nova Bíblia Pastoral.             Nova porque não é uma atualização da anterior e nem mesmo um reformulação, mas, como disse seus autores em sua apresentação, é uma nova edição, em todos os sentidos. E o que traz essa nova edição?             Após averiguar de modo eufórico, folhear suas páginas, ler notas, introduções, ver as configurações das seções, subseções, capítulos e versículos e [ Continue lendo]

O uso da Bíblia, Palavra de Deus.

“ A palavra de Javé foi dirigida a…” Jn 1,1a “Fala, Senhor, que teu servo escuta” 1Sm 3,10c.             Deus fala, fala sempre! Ele se comunica conosco através dos meios que melhor possamos compreender. Dos muitos meios, um tem a sua predileção: a palavra. É claro que nem sempre a entendemos, por muitas barreiras que pomos em nossa relação com Deus, e por estarmos sempre buscando viver uma cultura que cada dia mais deixa o sagrado a margem de si mesma. Desse modo não estamos/temos o costume de ouvir e decodificar a palavra no cotidiano de nossas vidas de [ Continue lendo]

Evangelho de João: O Discípulo Amado

Eis umas linhas sobre o evangelho de João para nos ajudar na sua leitura. Boa leitura. João, o discípulo amado             João, é conhecido como filho de Zebedeu, o pescador. Ele, tem também um irmão, Tiago. Ambos fazem parte do grupo dos Doze (Cf. Mt 10,2; Mc 3,17; Lc 6,14; At 1.13). Mc 3,17 acrescenta que os dois irmãos receberam de Jesus o nome de ‘Boanerges’, isto é “filhos do trovão”. Independente de seu significado, esse nome certamente não sugere um comportamento passivo e contemplativo. Tinham personalidades fortes.             João e Tiago [ Continue lendo]

Evangelho de Lucas

Neste artigo trazemos alguns elementos para leitura e contextualização do evangelho de Lucas. Boa leitura! Destinatário Lucas é o único evangelho em que há indicações de um destinatário: Teófilo (1,3), o mesmo do livro dos Atos dos Apóstolos (At 1,1). Quem será esse Teófilo? Pode ser alguém importante que financiou a obra, como era costume na época. Pode ser também alguma autoridade romana a quem Lucas quer apresentar Jesus e defender os cristãos. Pode ser simplesmente um nome simbólico, isto é, “amigo de Deus”  [ Continue lendo]

Evangelho de Marcos

Neste artigo trazemos alguns elementos e informações para a leitura e contextualização do evangelho de Marcos. Boa leitura! Autor Seu autor é João Marcos. Sua mãe chamava-se Maria e acolhia em sua casa na cidade de Jerusalém uma pequena comunidade cristã (At 12,12). Marcos trabalhou com Barnabé, Paulo e com Pedro (At 12,25;13,5.13; 15,35-41; Fm 24; 2Tm 4,11,; 1Pd 5,13; Cl 4,10). Marcos escreveu seu evangelho para os gentios possivelmente no ano 64/70 na Palestina ou em Roma. Estilo simples, seu evangelho responde a pergunta: Quem é Jesus? A resposta é cativante e [ Continue lendo]

Evangelho de Mateus

Neste artigo, trazemos alguns elementos e informações para ajudar na leitura do evangelho de Mateus contextualizado. Boa leitura. Mateus e seu Evangelho Mateus também conhecido por Levi (9,9; Mc 2,14; Lc 5,27-29) é cobrador de impostos, considerado pelos fariseus e doutores como pecador. Seu nome em hebraico significa: “Dom de Deus”. Com este significado entendemos que a comunidade é um dom de Deus para os pobres, perseguidos, humilhados, doentes, pecadores e marginalizados. Mateus escreveu seu Evangelho lá pelos anos 85/90 d.C, quando as comunidades enfrentavam dificuldades de [ Continue lendo]

O Cristo

Introdução             Na história dos povos é comum constatar a crença numa personagem cuja função em momentos difíceis é ser o redentor, o libertador, aquele que devolver a esperança e dá sentido existencial e vocacional ao seu povo. Não sabemos quando isso começou, mas é notória na literatura antiga essa crença. Também não fica atrás a cultura moderna. A figura do herói que vence o inimigo, que instaura a paz, é muito alimentada e cultuada desde tenra idade entre as pessoas e famílias, principalmente e modernamente com a cultura cinematográfica. Essa [ Continue lendo]

Curiosidades bíblica

Duração de tempo em que foi escrita a Bíblia: O processo de escrita da Bíblia passou mais de 1.000 anos. Sendo que 1.000 anos foram para o Primeiro Testamento e; 100 para o Segundo Testamento. Geralmente o processo aconteceu assim: o fato acontece; é transmitido de boca em boca por tradição oral; espalha-se por vários grupos e lugares diversos; é celebrado e só depois é fixado por [ Continue lendo]

Métodos de Leitura Bíblica

Em poucas linhas comentamos e apresentamos de modo suscito o que é um método de estudo bíblico e como podemos praticá-lo facilmente em nossos estudos e aprofundamento bíblico. E isso sempre prescindido do bom senso, oração e fé, bem como contando com a experiencia de mais de mil anos da Igreja, quando se trata de ler e interpretar a Bíblia. 1- O que é um método e para que serve? O método é um caminho que percorremos quando lemos um texto, ou fazemos qualquer outra atividade. O método tem o objetivo de ajudar a fazer as coisas. Ler, de modo que possamos compreender e aplicar o [ Continue lendo]

Tabela de Estudo Bíblico: Primeiro Testamento

Pessoal, está aqui a tabela de estudos bíblicos para uma leitura iniciante. É um resumo do resumo que nos mostra o caminho, história e personagens nos livros do Pentateuco e nos livros Históricos. Algo básico. Olhando a tabela se tem uma noção do caminho a [ Continue lendo]

O Mistério da Encarnação. Natal: O Sol nascente veio nos visitar.

O mistério da Encarnação: Deus se tornou humano assumindo nossa pobreza. “E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós e nós vimos a sua glória.” (cf. Jô 1,14a) Eis o grande  testemunho incontestável da fé cristã. Deus, a suprema divindade, se esvazia de Si, deixa o seu “habitat” e assume a condição finita e humana para está conosco. Porque o fez e que conseqüências sobreveio à natureza de toda a criação? Porque o fez é um mistério que só se alcança com a fé ainda que não de todo esclarecido; as conseqüências estão na história e no cotidiano [ Continue lendo]

Lucas, 10, 38-42: Marta e Maria

No evangelho de Lucas, 10, 38-42, temos o episódio em que Jesus se encontra com Marta e Maria em casa de ambas. Marta atarefada pede que o Senhor repreenda a Maria que o escutando a seus pés, deixa a irmã com os afazeres domésticos. Esse, porém, lhe dirige a palavra enfatizando que Maria nesse momento estaria livre, pois, com a melhor parte, enquanto Marta deveria continuar executando a tarefa que a si lhe havia imposto. Essa leitura é de difícil interpretação e que, durante séculos serviu tanto para o Ocidente quanto para o Oriente de argumentação, quando não muito, [ Continue lendo]

A Revelação Divina

Introdução geral             A Revelação divina de Deus aos seres humanos na tradição ocidental judaico-cristã aconteceu dentro de um processo que se estende por um período de mais de dois mil anos. Primeiro, na tradição judaica ele revela-se como Um, o Único, o Presente, o Eterno e Transcendente que está na História do Povo. No entanto, quanto a sua natureza e o significado dela só foi compreendida em sucessivas etapas até chegarmos à compreensão que temos hoje. A revelação aconteceu de modo prático, ou como costumo dizer, alegoricamente, foi um “corpo a [ Continue lendo]

Jo 12, 20-22: Queremos ver Jesus

Os gregos ouviram falar de Jesus. Sua fama se espalhou. Alguns gregos prosélitos, por algum motivo foram em busca de ver Jesus. Encontram André e Filipe, discípulos do Senhor. Pronto, o encontro foi arranjado. A atitude dos gregos supõe fé no Deus dos pais, Javé; eles eram prosélitos e ouviram falar da pessoa e do agir de Jesus (Jo 6, 37-38). Jesus é a definitiva manifestação de Deus no meio do povo (Hb 1, 1-4; Jo 5, 39.43a). Ele nos fala do Pai, de seu amor por nós. Ele age como age o Pai (Jo 5,19-20; 7, 16-18; 8, 25-29; 14, 5-11). Ver Jesus não significa para nós, hoje, [ Continue lendo]

A Santíssima Trindade

A Santíssima Trindade é um “Mistério” cuja compreensão da Igreja está explicitado no Dogma elaborado depois de muito esfoços, mediante conflitos e compreensões das mais diversas. Com os Concílios Ecumênicos (Niceia I.; Constantinopla I; Éfeso; Calcedónia; Constantinopla II; Niceia II ) foi possível estabelecer regras; um discurso mínimo, que nos desse a exata dimensão (dentro de certa compreensão humana) de como lhe dá com essa realidade da divindade, estabelecendo uma ortodoxia (uma fé reta) sobre o fato; a partir dessa correta compreensão então coube a catequese [ Continue lendo]

As Fontes Literárias do Pentateuco

As fontes literárias encontradas no Pentateuco (Gn, Ex, Lv, Nm Dt) segundo Norman K. Gottwald entre outros especialistas, nos informam que são fontes advindas de quatro escolas-situações distintas da história do povo bíblico, e que a partir de um determinado momento foi fundida numa só obra pelo redator (ou redatores) final, dando coesão a séculos de história relidos sob enfoques diferentes, em situações diferentes, chagando a um consenso de modo que deu origem ao texto canônico que hoje temos em nossas mãos. Essas fontes, denominadas segundo os especialistas, sobretudo os [ Continue lendo]

A Ressurreição.

A fé cristã tem como elemento primordial e fundante a páscoa da ressurreição do Senhor.  A mensagem da páscoa é clara e objetiva: a vida é a palavra final. A vida continua de outro modo definitivo e pleno. Como é esse outro modo nada sabemos; toda e qualquer especulação e descrição do mesmo é pura fantasia e devaneio intelectivo; porém isso não significa que não podemos refletir. Falemos, pois, da ressurreição da páscoa do Senhor enquanto vida e vida plena. Ela nos dá uma certeza: a vida continua. Como chegamos a essa conclusão? Quais as provas e argumentos? A [ Continue lendo]

As dez pragas do Egito

Pessoal, esse artigo é resultado de algumas pesquisas que fiz aqui na internet. O conteúdo é interessante. É mais um contribuição para a compreensão do texto.Vale apena conferir. As pragas tiveram por fim levar Faraó (e toda a estrutura que fabricava a opressão) a reconhecer e a confessar que o Deus dos hebreus era o Deus da vida e do povo, e que seu Projeto era diferente do projeto do Egito e Canaã dos opressores. 1 – Águas em [ Continue lendo]
1 2 3