Novidades

Lc 4,18-19. O programa de Jesus – V: O espirito me ungiu para proclamar um ano de Graça do Senhor

Por: Padre Guilherme Gomes* “O Espirito me ungiu para (…) proclamar um ano de graça do Senhor” (Lc 4, 18). Que significa isso? Um ano de graças do Senhor quer dizer para nós que, uma vez acontecido tudo o que foi anunciado anteriormente, Deus fornece um tempo de total bonança. Ele escancara o coração dele para entregar tudo o que é bom para nós: Desde a graça santificante que implica o perdão de nossos pecados e a presença dele em nós, dando a força necessária para realizarmos de maneira plena tudo aquilo que Ele programou para cada um de nós. É mesmo um tempo de [ Continue lendo]

Lc 4,18-19. O programa de Jesus – IV: Libertar os oprimidos

Por: Padre Guilherme Gomes* Excelente providência do Espirito Santo ao ungir Jesus, pois todos nós estamos oprimidos. Nosso maior opressor é Satanás. Como dizia Pedro ele está constantemente a nos rodear, como o leão procura a presa para devorar (1 Pe 5,8). Deu bobeira, ele pega. Esse terrível opressor nos gera os outros opressores que apresentam de maneira perceptível o seu tremendo poder. Tais são os grandes empresários, os políticos por eles corrompidos. Os políticos, por sua vez nos jogam nas costas a opressão da miséria, da fome, do analfabetismo e da doença que culmina [ Continue lendo]

Lc 4,18-19. O programa de Jesus – III: “Eu vim para dar vista aos cegos”

Por: Padre Guilherme Gomes* “Eu vim para dar vista aos cegos”, acrescentou Jesus em seu discurso de auto apresentação na sinagoga de Nazaré. Devolver a vista aos cegos, para Ele, não significa simplesmente sua capacidade de recuperar cegos do ponto de vista puramente físico como no caso dos cegos de Jericó (cf. Mt 20,29-34) mas, sobretudo, a cegueira da mente, a cegueira espiritual que é mais grave e perigosa que a cegueira física. Foi que ela arrancou dos lábios de Jesus esta expressão contundente contra os fariseus: “Jesus disse então: “É para um julgamento que eu vim a [ Continue lendo]

Lc 4,18-19. O programa de Jesus – II: Anunciar aos cativos à libertação

Por: Padre Guilherme Gomes* Anunciar aos cativos à libertação (Cf. Lc 4, 18); eis o segundo objetivo da vinda de Jesus ao mundo. Mas o que significa estar preso? No nosso entender comum é estar retido em um presidio, ou campo de concentração, sempre por ordem de alguém, como o vencedor de uma guerra ou autoridade agindo em nome de uma sociedade que ela representa no ato da punição. Noutras palavras é alguém que perdeu a liberdade ficando nas garras do inimigo ou nas garras da lei. Em sentindo mais abrangente é alguém preso a um tipo de situação que não condiz com a dignidade [ Continue lendo]

Lc 4,18-19. O programa de Jesus – I: Evangelizar os pobres

Por: Padre Guilherme Gomes* Logo ao iniciar seu trabalho missionário entre nós, Jesus declarou solenemente, em Nazaré da Galileia a que veio. Citou os cinco itens do seu trabalho conforme já estava previsto pelo profeta Isaías: Evangelizar os pobres, anunciar a libertação aos cativos, a recuperação da vista dos cegos, libertar os oprimidos e proclamar um ano de graça do Senhor (Cf. Lc 4, 18-19; Is 61, 1-4). Comento hoje o primeiro item: O que quer Jesus dizer ao falar evangelizar os pobres? Ele veio dizer: Animem-se, pois chegou à solução para vocês. Para vocês, os pobres nos [ Continue lendo]

Primeira Carta aos Tessalonicenses: Contexto e leitura

Ser cristão na cidade grande – um desafio hoje Introdução     A primeira carta de Paulo aos Tessalonicenses é o primeiro escrito do Segundo Testamento, escrita por volta do ano 51 depois de Cristo. É a primeira carta autêntica das sete escritas pelo próprio Paulo (as outras são: Romanos, Gálatas, 1 e 2 Coríntios, Filêmon e Filipenses). Nesta carta, o autor expressa sua alegria pela perseverança da comunidade, que é modelo para as igrejas da região Macedônia, bem como responde aos seus questionamentos quanto a parusia (a volta de Jesus) e a exorta na santidade em meio [ Continue lendo]

As primeiras comunidades cristãs

Jesus ressuscitou, enviou o Espírito Santo e agora é a hora e a vez das testemunhas. Ao redor dos “ditos” e da “memória” de Jesus sob orientação dos discípulos, com um olhar nas Escrituras do Primeiro Testamento e outro nos Acontecimentos a Igreja vai tomando forma, escutando o que o Espírito diz as comunidades nascentes, vão pregando, evangelizando, catequizando. A partir das leituras dos  Atos 2,42-47;  4,32-35 e 10 [34-48] tecemos a última reflexão do nosso estudo dos Evangelhos e Atos, para os grupos de evangelização, crisma e grupos de jovens. As primeiras [ Continue lendo]

Pentecostes: Recebei o Espirito Santo

Jesus ressuscitou, apareceu aos discípulos, dá-lhes instruções, sobe aos céus e, eles se preparam para o próximo evento que há de vir. Assim, partindo dos textos de João 7,37-39; 14, 14-17.24-28 e Atos 2, 1-21, tecemos essa reflexão sobre o Espírito Santo e os inícios da Igreja. Pentecostes: Recebei o Espirito Santo Contextualização             Jesus promete o Espirito Santo (cf. Jo 14, 16). O Espirito sempre esteve com Jesus (cf. Lc 4,16) e ele nos dá a nós discípulos seus.             Qual a função do Espirito Santo na vida do crente? Segundo João [ Continue lendo]

A ressurreição de Jesus

A ressurreição de Jesus é o ato fundante da fé cristã. A partir dos textos de Marcos 16, 1-8; Lucas 24,13-35; 1Coríntios 15,1-28. Tecemos essas linhas de reflexão para os grupos de jovens, de crisma, de evangelização, de círculos bíblicos, aprofundarem o tema. A ressurreição de Jesus Contextualizando             A ressurreição de Jesus é um dado de fé. Jesus ressuscitou – essa é a afirmação convicta da fé cristã. Através da ressurreição de Jesus podemos compreender o sentido da vida que Ele é.             Na história humana não há [ Continue lendo]

Amor e liberdade na vida a dois

celebração do Sacramento do Matrimônio – Direitos Reservado Por: Sebastião Catequista Toda tentativa de conceituar e falar do amor o limita de certo modo, como também revela sua riqueza e interioridade nas mais variadas situações. O mesmo se aplica a liberdade. Entretanto, nem por isso deixamos de falar sobre o amor e a liberdade. E aqui tecemos essa reflexão sobre o amor e a liberdade contextualizado na vida a dois. Comecemos pela liberdade… A liberdade é essencial à vida humana. Faz parte de sua constituição visceral. Com a liberdade podemos ser criativos, dinâmicos [ Continue lendo]

A Missa: motivações

Por: Sebastião Catequista Todos sabem que a Missa é uma celebração cujo ritual com sua rica simbologia constitui um ato litúrgico de fé da Igreja. Na Missa, celebramos a vida, a morte e a ressurreição de Jesus, o Senhor vivo e ressuscitado. Ele que está presente na vida do seu povo, se faz presença de fé também nesta celebração. Aliás, a Missa é o encontro do povo com Deus, de Deus com o povo. Dos cristãos com o seu Senhor. É um encontro especial, orante, onde a oração tem seus efeitos na vida pessoal e comunitária dos fiéis. Mas, se compreendemos a Missa assim, como [ Continue lendo]

A morte de Jesus

A morte de Jesus na ótica da fé é redentora e salvadora. Olhando pelo contexto histórico foi assassinato e testemunho. Mas, porque Jesus morreu, se nos Atos dos Apóstolos (2, 22s) nos diz que ele viveu fazendo o bem? A quem importaria sua morte? Que forças estariam conspirando sua morte e porque? A partir da leitura dos textos de Mateus 15,20b-39;  João 19,28-42;  Atos 2,22-24 tecemos essas linhas de estudo e oração para os grupos de catequese de jovens, adultos e círculos bíblicos. A morte de Jesus Contextualizando             Jesus morreu relativamente jovem, com 33 [ Continue lendo]

Campanha da Fraternidade 2017

Vídeo. Campanha voltada para os problemas ecológicos, segue as orientação do papa Francisco. O vídeo mostra o que é um bioma e quais as suas características e como ação humana tem afetado essas regiões. É um vídeo bem interessante, sobretudo para a [ Continue lendo]

A perseguição a Jesus

A morte de Jesus é redentora, salvadora, nos diz a fé cristã, mas por outro lado, a causa que defendia o levou ao martírio. Ele foi assassinado. Porém, Deus não deixa impune a morte do Justo. Nesse texto, a partir das intuições e testemunho do Evangelho e Marcos nos capítulos e versículos: 2,15-17;  11, 15-19;  12,38-40, tecemos nossa reflexão e estudos para você e os grupos populares de evangelização e catequese de nossas comunidades. A perseguição a Jesus Durante todo seu ministério Jesus prega, ensina, cura e perdoa os pecados. A sua fama se espalhou de maneira tal que [ Continue lendo]

O que é teologia?

Vídeo. Com esse vídeo apresentamos de modo simples, suscito, uma visão geral sobre Teologia, alguns ramos e temas tratados pela mesma. Inclusive aqui em nosso site, temos vários outros artigos sobre diversos aspectos da teologia. Confira o vídeo, deixe seu [ Continue lendo]

Catequista de ocasião

Por: Sebastião Catequista A catequese é a educação da fé. Isto é, a ação da Igreja para que o fiel adquira o desenvolvimento pleno da fé que professa. É o conjunto de ações que permite dentro de um processo, o fiel conhecer, aprofundar, amar, viver, celebrar e testemunhar a fé professada pela Igreja. O catequista é aquela pessoa que, identificada com essa ação, por força do batismo e pela necessidade da Igreja, assume essa tarefa de forma permanente ou temporária em sua comunidade. Assim, o DNC (Diretório Nacional de Catequese) em seus parágrafos 237; 241 a 245, identifica [ Continue lendo]

A fé cristã e a catequese

Por: Sebastião Catequista A catequese é uma ação eclesial que tem por finalidade educar seus fiéis na fé. Catequese é a educação da fé. Em que consiste essa educação? Para responder a essa pergunta uma outra se impõe: o que é fé? A fé de um ponto de vista comum é uma atitude; aquela atitude “insignt” que de um momento para outro tem o “poder” de transformar algo, alguém ou uma situação de quase-morte para vida; de uma realidade adversa em uma realidade favorável. É um momento único, um instante que pode mudar rumos. De outro modo, a fé também [ Continue lendo]

A educação da fé

Por: Sebastião Catequista Todos nós sabemos que na Igreja a catequese é o processo pelo qual o cristão é educado na fé. A catequese é a educação da fé. Essa educação acontece mediante um processo pessoal e comunitário de modo sistemático progressivo, ordenado e permanente onde há assimilação de conteúdos (cf. DNC 233); vivência dos mesmos através dos momentos celebrativos; do engajamento em atividades eclesial; e o testemunho no mundo onde vivemos e convivemos (em casa, no trabalho, na escola, na praça, na rua…) fazendo assim, uma experiência concreta da fé que [ Continue lendo]

Pedagogia catequética: nossas práticas cotidianas

Por Sebastião Catequista Todo ano, nós que fazemos a Catequese planejamos, nos preparamos e damos início as atividades catequéticas junto aos nossos catequizandos. Em nossos planejamentos (re) elaboramos os temas e conteúdos de nossos encontros, passeios, momentos orantes, pensamos a vivência dos tempos fortes da vida eclesial e, nos preocupamos com alguns detalhes cotidianos: músicas, dinâmicas, material didático a serem usados, instrumentos que facilitam os trabalhos como por exemplo, os aparelhos modernos (iPhone, Smartphone, Tablet, projetor, TV, redes sociais), etc. Tudo isso é [ Continue lendo]

Planejamento Catequético

Por: Sebastião Catequista. Todo mundo sabe que, para começar alguma coisa, qualquer coisa, temos que pensar e contar com as vantagens, com as desvantagens, com suas variáveis e consequências. É inevitável! A questão é: ou fazemos isso pensando; ou fazemos isso ao contrário, na “tora”, “quebrando a cabeça” aprendendo do modo mais difícil possível. No primeiro caso, damos o nome de planejamento; no segundo, entre outros “nomes” inexperiência mesmo. Mas, se planejamos algo devemos nos perguntar o que e para que, e dependendo da resposta teremos mais perguntas que [ Continue lendo]

Os milagres de Jesus

Seguindo a série de nossos estudos para os grupos e movimentos, tecemos neste estudo uma reflexão e introdução ao carisma taumaturgo de Jesus. Ou seja, a partir dos textos de Lucas 11,14-21; Mateus 15, 29-31; e Marcos 5, 21-43, conheceremos o lado “milagreiro” de Jesus e o sentido de seus milagres. Os milagres de Jesus Jesus prega, ensina e cura. Jesus é lembrando no meio do povo pelas muitas curas que fez. O povo via em Jesus não uma espécie de “curandeiro”, mas uma presença benfazeja, uma presença profética com poderes curativos (cf. Lc 7,16). Ele é o “dedo de [ Continue lendo]

Os ensinamentos de Jesus

Jesus é Mestre. Todos os textos bíblicos mostram isso. Ele ensinou, sabe ensinar e ensina com autoridade. Não fez faculdade, não fez o curso do ensino médio, técnico ou científico, mas sabia e sabia que sabia. Muitos dos seus ouvintes se questionaram: “De onde vem tanta sabedoria?”. E mais, o que ensinava? Do que falava seus ensinamentos? A partir dos textos de Mateus 13,1-9; Marcos 7,14-23; Lucas 6,20-49, tecemos esse texto para o estudo sobre os ensinamentos de Jesus. Os ensinamentos de Jesus Jesus andou no meio do povo fazendo o bem. Curou a muitos, perdoou pecados, [ Continue lendo]

Os discípulos e discípulas de Jesus

Os discípulos e discípulas de Jesus foram pessoas do povo que também como o povo esperavam o Reino de Deus e seu Messias. De algum modo todos foram chamados por Jesus e responderam o seu sim por acreditar que nele havia algo de Deus. De fato, não o sabiam explicar mas era forte sua intuição a respeito do Nazareno. Partindo dos textos de Mateus 4,18-22; Marcos 3,13-19; Lucas 8, 1-3; 10, 1-11; e João 1,35-51 tecemos esse comentário vocacional e testemunho de fé. Os discípulos e discípulas de Jesus Jesus prega o reino de Deus no meio do povo. Isso é evangelho – boa notícia. [ Continue lendo]

Conselho Pastoral Paroquial

O texto a seguir quer ser uma reflexão para ajudar o Conselho (CPP) e os conselheiros de nossas comunidades sobre sua importância e função. O papel do Conselho Paroquial O Conselho Pastoral Paroquial tem uma importância muito grande pelo fato de ser a representatividade de todo o corpo da Igreja. Através do Conselho se concretiza a participação e a comunhão dos grupos, movimentos e pastorais. Entretanto, o CPP não é uma democracia e sim um grupo que por sua natureza obedece regras hierárquicas da Igreja. O CPP existe para fazer essas regras funcionarem e para harmonizar a vida da [ Continue lendo]

A pregação de Jesus

A pregação de Jesus foi o início de um novo tempo. O que Jesus prega? Para quem? Como reagiram os seus contemporâneos? A partir dos textos de Marcos 1, 14-15.21-22; Lucas 4,16-24; Mateus 4, 23-25, tecemos esse texto para estudo dos grupos de jovens, de crisma e evangelização. A pregação de Jesus Jesus prega ao povo, lhe tem algo a dizer. Como vimos nos textos acima, ele depois de ter recebido o batismo de João, ter escutado o profeta, ter se preparado para a missão, com a força do Espírito começou a pregar ao povo. E sua pregação é simples: “Cumpriu-se o tempo e o Reino de [ Continue lendo]

João Batista

Com esse texto tecemos algumas informações e uma reflexão sobre o profeta João Batista primo de Jesus. A partir dos textos de Marcos 1,4-8; Mateus 3,1-12; e João 1,19-28. Nosso estudo se destina sobretudo para os jovens que estão se preparando para a Crisma, grupos de evangelização, rezas nas casas, etc. Quem foi João Batista? Qual a sua relação com Jesus? O que o Mestre disse de João? Eis nosso estudo. João Batista O povo de Israel é um povo de profetas. Profetas foram homens e mulheres que durante o período do reinado no Antigo Testamento Deus suscitou para orientar o povo, [ Continue lendo]

A sociedade da época de Jesus

Tendo Lucas 3,1-2 como “pano de fundo” em nosso segundo texto da série de estudos bíblicos para grupos de crisma, de jovens, de círculos bíblicos e rezas nas famílias, tecemos o tema da sociedade na época de Jesus. Como viviam, como compreendia os tempos de Deus que estava por vir? Como Jesus compreendeu esse momento? Eis o queremos refletir nesse texto. A Sociedade da época de Jesus             Jesus viveu numa sociedade. A sociedade é a forma como o povo se organiza e vive seus destinos. Na sociedade do tempo de Jesus havia grupos políticos e religiosos; [ Continue lendo]
1 2 3 9